Campanha “O Petróleo é do Brasil” é lançada em Brasília | Senge Bahia
Notícias
petroleo 15mai

Campanha “O Petróleo é do Brasil” é lançada em Brasília

As frentes parlamentares mistas de Soberania Nacional e de Defesa da Petrobras lançaram no dia 9 de maio, em Brasília, campanha que revive o movimento nacionalista que floresceu no Brasil no final dos anos 1940 e que culminou na criação da Petrobras. Em pauta, novamente a necessidade de assegurar o petróleo como riqueza nacional e, agora, articular movimento em defesa da própria existência da Petrobras, alvo de desmontes do governo federal, que vende ativos e busca entregar a exploração do pré-sal a petroleiras estrangeiras. O ato, realizado na Câmara dos Deputados, foi brindado com a leitura de um manifesto por Guilherme Estrella, ex-diretor de Exploração e Produção da Petrobras (2003/2012), conselheiro do Clube de Engenharia e coordenador da equipe que descobriu as reservas do pré-sal. O engenheiro Maurício Garcia esteve no lançamento representando a Fisenge (Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros). “Afirmamos nosso apoio à campanha ‘O Petróleo é do Brasil’ numa luta que considerávamos vencida até antes do governo FHC, quando começaram os ataques às nossas empresas estatais por meio das privatizações e, consequentemente, atingindo nossa soberania. Também prestamos nossa solidariedade aos engenheiros e trabalhadores demitidos do setor de gás e petróleo com a redução dos componentes nacionais nas licitações da Petrobras, o chamado conteúdo local”, destacou Maurício.

Estrella expôs a preocupação de diferentes setores da sociedade brasileira com os rumos do atual governo em relação à Petrobras: “A PETROBRÁS, construída com recursos do povo ao longo de décadas, com a competência de seus trabalhadores em todos os setores, é exemplar entre as petroleiras do mundo. Com a tecnologia de exploração em águas profundas desenvolvida pela estatal, o Brasil chegou às conquistas atuais. Transferir o pré-sal e a PETROBRÁS para as mãos privadas e externas é um dos mais graves crimes de lesa-pátria”, diz trecho do documento.

O senador Roberto Requião, presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania, esteve presente ao lado de deputados e senadores de diferentes partidos. Do lado das organizações civis, se fizeram presentes representantes da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge), Federação Brasileira dos Geológos (Febrageo), Conselho Federal de Economia (Confecon) e Comissão de Justiça e Paz, entre outras.

Segue transcrição parcial do manifesto:

Manifesto contra a entrega do pré-sal e da Petrobrás aos estrangeiros

O petróleo é do Brasil!

A história recente da humanidade pode ser contada por meio de guerras pela disputa por fontes energéticas, em especial o petróleo. As últimas guerras imperialistas no Iraque e na Líbia, provocadas sob pretextos inventados, destruíram ambos os países, desmantelando suas infraestruturas e levando à morte milhares de pessoas. Agora, a América Latina é o novo alvo da disputa pelo petróleo, mais exatamente o Brasil e a Venezuela.

A PETROBRÁS, construída com recursos do povo ao longo de décadas, com a competência de seus trabalhadores em todos os setores, é exemplar entre as petroleiras do mundo. Com a tecnologia de exploração em águas profundas desenvolvida pela estatal, o Brasil chegou às conquistas atuais. Transferir o pré-sal e a PETROBRÁS para as mãos privadas e externas é um dos mais graves crimes de lesa-pátria cometidos pelos golpistas que assumiram o poder em 2016.

A herança do general Horta Barbosa, de Getúlio Vargas e da campanha popular “O petróleo é nosso”, num movimento que resultou na criação da PETROBRÁS, está sendo brutalmente atacada. A transformação do Brasil em colônia, em pleno século 21, passa pela expropriação do petróleo e pela privatização da PETROBRÁS. Com isso, o País perderia a capacidade de promover seu desenvolvimento industrial, com geração de empregos e de renda.

Neste momento, diante deste ataque sem precedentes ao Brasil, convocamos todos os cidadãos e cidadãs, democratas e patriotas para impedir a maior traição ao Brasil moderno. A defesa da soberania e da independência energética é também a defesa da existência da Nação brasileira. Em todos os recantos do país, vamos afirmar alto e bom que “O petróleo é do Brasil”. O Brasil não está à venda!

Fontes: Blog do Esmael e Brasil de Fato

Voltar para notícias